1º Congresso

Ensino de Cinema

em Portugal

15 de novembro de 2019

Universidade Lusófona, Lisboa

Programa

  • 11h

    Acolhimento e boas vindas
  • 11h30

    Conferência de abertura
    Maria Dora Mourão (Universidade de São Paulo)

    “O associativismo como forma de dinamização do ensino e investigação em cinema: fazendo pontes entre o Brasil e Portugal”

    Debate

  • 14h30 – 16h30

    Mesas Redondas de debate e reflexão no formato World Cafe

A) Práticas Pedagógicas Inovadoras

A criação, partilha e aquisição de conhecimento não podem ignorar o contexto tecnológico e as dinâmicas culturais atuais, em particular no âmbito artístico e, ainda mais especificamente, na área do cinema. O objetivo desta mesa é refletir e discutir de que modo os meios disponíveis e o contexto sociocultural presentes permitem potenciar, de modo renovado, a articulação entre teoria e prática, arte e ciência, pedagogia e criação, tendo em conta a tradição em que se inserem e os desafios que se colocam.

B) Desafios de Produção em Contexto Académico

A produção cinematográfica ocorre em circunstâncias específicas, marcadas por limitações reconhecíveis, mas também por possibilidades únicas. A liberdade criativa e o apelo à experimentação – valores inquestionáveis – não encontram sempre os recursos necessários para a sua plena concretização, seja em termos técnicos, financeiros ou humanos. Como ultrapassar tais constrangimentos? Através de financiamento institucional, de parcerias, de mecenato, de crowdfunding ou de outros modelos de cooperação?

C) Avaliação e Acreditação de Cursos de Cinema

A especificidade do ensino de cinema deve ser um fator nos procedimentos e modelos de avaliação do mesmo. A equidade de critérios deve andar a par da cultura de cada instituição. Por outro lado, os constrangimentos de diversa natureza (em termos de corpo docente ou de financiamento, por exemplo) são um elemento que devem merecer uma intervenção estratégica cooperante, num esforço comum de dinamização e promoção de uma cultura de exigência, mas também de flexibilidade. Que princípios e procedimentos devem ser adotados?

D) Novas Áreas de Intervenção das Escolas

Numa sociedade em que a ideia de rede se afigura incontornável, as escolas de cinema não podem deixar de estar abertas à comunidade e aos fenómenos culturais que as rodeiam. A ligação às mais diversas entidades e associações do setor, aos demais graus de ensino, aos agentes artísticos e cívicos, ao mercado profissional e ao entorno mediático constitui uma oportunidade de reflexão e de fortalecimento do seu papel na sociedade. Em que medida? Com que estratégias?
  • Participantes por mesa

    Moderador/ relator por escola
    • 1 diretor de curso
    • 1 docente
    • 1 aluno (núcleo de estudantes)
    • Outros participantes
  • Rondas

    Duração: 30 minutos

    Sessões paralelas (caso o número de participantes exceda os 5 por mesa).
    Todos os participantes intervêm e expressam as suas posições/visões sobre o tópico em discussão.

  • 16h30

    Apresentação e discussão de resultados:
    Resumo feito pelos relatores
    Discussão e conclusões

  • 17h00

    Encerramento
    O Futuro do apoio à formação em Audiovisual em Portugal: o concurso ICA de apoio à formação 2020
    Maria Mineiro (Direção ICA)

Organização e Apoios

Gestão de conteúdos por Produção Multimédia
Campo Grande, 376, 1749 - 024 Lisboa | Tel.: 217 515 500 | Fax: 21 757 7006
Copyright © 2018 COFAC. Todos os direitos reservados.
universidade lusófona